Mãe e filha na neve
Exposição das crianças ao frio: Que cuidados devo ter?
January 13, 2021
Desenho de criança
Falar com as Crianças Sobre 2020
January 18, 2021

Piolhos: como detetá-los?

Mãe e filha
 
Os piolhos são um problema muito comum que afeta as crianças em idade escolar e as suas respetivas famílias. Estes pequenos parasitas podem-se prender ao cabelo de qualquer pessoa, não se tratando de uma questão de higiene pessoal.

Apesar de serem incomodativos, geralmente, os piolhos não causam doenças graves, nem transmitem qualquer tipo de doença, podendo ser tratados em casa.


O que são?

Os piolhos são pequenos insetos parasitas, sem asas, que podem infestar a pele. É muito frequente a sua infestação nos humanos, também chamada de pediculose. Estes alimentam-se de pequenas quantidades de sangue do couro cabeludo, provocando comichão e irritação. Como se multiplicam muito rápido, torna-se fácil de transmitir às pessoas que estão mais próximas.


Piolho vs Lêndea

A lêndeas são os ovos dos piolhos, que crescem agarradas ao fio do cabelo e que podem ser encontradas a alguma distância do couro cabeludo, conforme a duração da infestação.


Infestação

Tal como já foi referido anteriormente, os piolhos são insetos que não detêm asas, pelo que não podem saltar ou voar. Contudo, têm garras que lhes permitem rastejar e agarrarem-se ao cabelo de outra criança.

A sua transmissão dá-se através do contacto direto com pessoas que estejam infestadas e pela partilha de roupa e objetos de uso pessoal como, por exemplo, chapéus, almofadas ou escovas de cabelo.

Estes parasitas espalham-se rapidamente de pessoa para pessoa, sobretudo, se estiverem em grupo, como é o caso das escolas, creches e atividades desportivas e/ou extracurriculares. A infestação também é mais fácil em cabelos longos, pois os piolhos tendem a agarrar-se melhor.


Sinais e sintomas

O aparecimento de piolhos manifesta-se principalmente pela comichão no couro cabeludo. Isto acontece quando os parasitas picam a cabeça para se alimentarem.
Geralmente, os piolhos e lêndeas são mais visíveis na nuca ou atrás das orelhas.

Se tiver algum caso próximo ou tenha sido avisado pela escola do seu filho que outras crianças estão infestadas, opte por verificar regularmente a cabeça da criança. Este procedimento facilita a deteção dos piolhos antes que tenham tempo de se multiplicar e infestar outras pessoas.

Para isso, siga os seguintes passos:

• Sente o seu filho num espaço bem iluminado;
• Separe o cabelo, preferencialmente molhado, por secções;
• Procure, secção a secção, pelos piolhos e lêndeas;
• Utilize um pente fino para o ajudar nesta tarefa, pois os parasitas evitam a luz e movem-se rapidamente.


Tratamento

O tratamento mais eficaz recomendado pelo Serviço Nacional de Saúde para este tipo de casos, passa pela aplicação um antiparasitário, quer seja sob a forma de champô, gel, creme ou loção. É importante que siga sempre as instruções dos produtos e repita o tratamento, pelo menos uma vez após 8 dias da aplicação, para garantir que elimina os piolhos que ainda possam existir e/ou que saíram das lêndeas.

À exceção de casos específicos, este tipo de produtos não necessita de uma receita médica para serem comprados. Contudo, é desaconselhado o uso excessivo dos mesmos, pois pode ser prejudicial para a saúde.

A seguir a aplicar o produto, deve pentear sempre o cabelo da criança, ainda húmido, com o pente apropriado. Este passo permite verificar se a mesma ainda está infestada e se o tratamento está a fazer efeito.

É igualmente importante que coloque as roupas da cama e da criança para lavar, pelo risco de poderem estar infestadas. Caso isso não seja possível, opte por deixá-las em sacos fechados durante um período de duas semanas, para eliminar os parasitas.


Se nenhum dos passos acima resultar com o seu caso específico e o problema persistir, deverá informar-se junto dos profissionais de saúde para verificar qual o produto antiparasitário mais adequado ao seu caso específico e/ou se o tratamento em questão não estiver a fazer efeito.

A leitura deste artigo não dispensa as consultas e recomendações dos profissionais de saúde.

Para obter mais informações, poderá consultar as fontes oficiais nas hiperligações do texto.

 

Acompanhe as redes da BabyLoop para conteúdo adicional!