Médica Pediatra
Varicela: transmissão, sintomas e tratamento
January 27, 2021
Criança a desenhar
Actividades online para os mais novos na segunda semana de férias
February 3, 2021

Uso da chupeta: o que precisa de saber

Bebé
 
Com o nascimento do bebé, é natural surgirem algumas dúvidas: se deverão ou não introduzir o uso da chupeta, se a devem incluir na mala que levam para a maternidade ou se esta é prejudicial para a criança. Saiba o que deve ter em conta e os cuidados a ter.

O uso da chupeta, também conhecido como um hábito de sucção não nutritiva, pode ser uma forma fácil e rápida para acalmar o choro, confortando-o. A sucção, para além de satisfazer as necessidades alimentares do bebé, nomeadamente na amamentação, também tem um efeito calmante, podendo proporcionar um alívio em caso de dor como, por exemplo, as cólicas.


— Recém-nascido

Nos primeiros dias após o nascimento, é natural que o bebé ainda esteja na fase de adaptação à amamentação e a aprender a fazer a pega do peito. Por esse motivo, o uso da chupeta é desaconselhado pelo Serviço Nacional de Saúde enquanto a amamentação ainda não está estabelecida. O seu uso pode ser prejudicial nessa adaptação, pelo que não a deve incluir na sua mala para a maternidade.


— Quando deve ser usada?

Depois da amamentação estar bem estabelecida, o uso da chupeta pode ajudá-la a acalmar o bebé, quer seja a proporcionar conforto, a ajudar a adormecer ou no alívio das dores. Não o prive dessa sensação, pois ao privá-lo, fará com que ele procure esse conforto de outras formas como, por exemplo, chuchar no dedo. Para além disso, o seu uso também pode reduzir o risco da síndrome de morte súbita do lactente.

A chupeta deve ser adaptada ao crescimento e idade do seu filho, sobretudo no que diz respeito ao tamanho da tetina. Em caso de dúvida em relação ao tamanho ou formato, aconselhe-se junto do profissional de saúde que a acompanha.


Relativamente ao seu material, a chupeta pode ser de silicone ou em látex:

• Silicone: é um material mole e elástico que mantém a sua forma e tende a ser mais resistente no que diz respeito à sua esterilização. Com o uso prolongado, poderá perder a resistência às mordidas e à sucção.

 
• Látex: é um material mais mole e deformável e é mais suscetível de se degradar na sucção e na sua lavagem. A longo prazo, minimiza o risco de alteração nos dentes e no céu da boca.
 
A chupeta deve ainda ser recortada junto ao nariz, côncava e ter buracos laterais para a ventilação. É igualmente importante que tenha uma argola para puxar.

Até aos 6 meses de idade, é recomendado que a esterilize e, depois dessa data pode optar apenas por a lavar. Substitua-a sempre que notar algum estado de degradação da mesma.


— Como deve ser usada?

Ofereça a chupeta sempre que o bebé estiver mais agitado, para o distrair ou para o ajudar a adormecer. Não force o seu uso caso ele não queira e evite voltar a colocá-la caso a deixe cair durante o sono. Impor alguns limites de tempo é importante para evitar que se torne num hábito. Sempre que possível, evite as fitas e/ou cordões amarrados à chucha para prevenir o risco de asfixia.


— Como fazer o desmame?

O uso prolongado da chupeta pode causar alterações dos dentes e/ou provocar o aparecimento de cáries, pelo que a sua utilização é recomendada apenas até aos 3 anos de idade por parte da Ordem dos Médicos Dentistas. O abandono nesta idade, poderá permitir a autocorreção da dentição e arcada.

Para fazer o desmame, não force a criança de forma rigorosa, vá fazendo aos poucos, com algumas restrições, negociando sempre com ela. Motive-a com alguma coisa que ela goste como, por exemplo, um brinquedo e elogie-a sempre que fizer alguma progressão. Para ajudar, tente dar alguns exemplos de pessoas ou amigos que já deixaram a chupeta.


Não se esqueça que o mais importante é o conforto e a segurança do seu bebé, sendo que tudo é um processo novo para si e para ele. Por esse motivo, cabe-lhe a si a decisão de introduzir ou não a chupeta. Relembramos que poderá sempre informar-se e obter as recomendações dos profissionais de saúde que a acompanham.

Para obter mais informações, poderá aceder às fontes oficiais nas hiperligações do texto.
 

Acompanhe as redes da BabyLoop para conteúdo adicional!