Médica Pediatra
Quais os efeitos do tempo de ecrã na saúde e desenvolvimento das crianças?
March 11, 2021
Guia da DGS para lanches escolares saudáveis
April 8, 2021

Icterícia Neonatal

Médica Pediatra

A icterícia define-se como a coloração amarelada da pele e escleróticas (substância branca do olho). Na maioria dos casos é fisiológica e benigna, resultando da imaturidade do recém-nascido. Contudo, também pode ser sinal de doença pelo que os pais devem estar atentos e informados.

Porque ficam amarelos os bebés?

A icterícia resulta de valores elevados de bilirrubina no sangue (hiperbilirrubinemia). Esta substância provém da degradação normal dos glóbulos vermelhos, após a qual o fígado a remove do sangue, metaboliza e é excretada nas fezes e urina. Contudo, o fígado do recém-nascido como imaturo que é, tem dificuldade em eliminar a bilirrubina que resulta de um elevado número de glóbulos vermelhos que estes bebés têm (superior ao do adulto). Assim, há acumulação de bilirrubina no sangue e o bebé fica com a pele e os olhos amarelos.

Quais são as causas da icterícia?

A maioria dos casos de icterícia neonatal é fisiológica e resulta da imaturidade do sistema digestivo do recém-nascido. Contudo há outras causas/problemas que podem provocar ou facilitar o seu aparecimento como:

Quais são os sinais e sintomas associados?

A icterícia fisiológica surge entre o 2º e 4º dias de vida do recém-nascido. A coloração amarela aparece habitualmente na face e progride para o tronco, abdómen e membros inferiores. Quanto maior a quantidade de pele afetada (até aos membros inferiores), maior será o valor de bilirrubina no sangue e maior será a gravidade da icterícia.

Em recém-nascidos muito vermelhos ou morenos nem sempre é fácil avaliar se o bebé está amarelo. Se não tiver a certeza, pressione suavemente a pele do bebé e se esta ficar amarela quando levantar o dedo significa que ele está ictérico.

Estes recém-nascidos podem não apresentar qualquer outro sinal ou sintoma associado, contudo em casos de valores muito elevados de bilirrubina no sangue, os bebés podem estar sonolentos, agitados e apresentar dificuldades alimentares.

Como é diagnosticada?

O diagnóstico é clínico. Contudo, em casos em que se suspeita clinicamente que os valores de bilirrubina no sangue estejam muito elevados será necessário realizar análises de sangue ao bebé.

A maioria dos hospitais possuem aparelhos de avaliação transcutânea da bilirrubina, que são ótimos meios de rastreio não invasivo, contudo carecem de confirmação através da análise sanguínea quando valores elevados ou que requerem tratamento.

Qual é o tratamento?

O tratamento da icterícia depende da idade do bebé, dos valores sanguíneos de bilirrubina e da causa da icterícia.

Embora haja a crença popular que colocar o bebé a “apanhar sol através da janela” tenha vantagem na prevenção e tratamento da icterícia, não está comprovado cientificamente a sua eficácia.

Aquilo que está recomendado é um reforço da hidratação, através de mamadas frequentes (por vezes complementado com leite de fórmula), de forma a aumentar a produção de fezes e urina e a consequente eliminação da bilirrubina.

Em casos de icterícia grave pode ser necessário realizar fototerapia (“luzinhas azuis”), de forma a prevenir a toxicidade da bilirrubina no sistema nervoso central. Esta consiste na aplicação de uma radiação a uma área extensa de pele (o bebé está despido, apenas de fralda, com proteção ocular) que vai transformar a bilirrubina numa outra substância mais facilmente eliminada pelo recém-nascido.

Quando desaparece?

A icterícia fisiológica ocorre na primeira semana de vida. Em bebés sob aleitamento materno exclusivo é normal a icterícia manter-se para além da primeira semana de vida, podendo em alguns casos prolongar-se até aos 3 meses. No entanto, se a icterícia persistir após as 3 semanas poderá ser necessária a realização de análises sanguíneas ao bebé para excluir outra causa de icterícia.

Quais os sinais de alarme?

Conheça os outros temas abordados pela Dra. BabyLoop!

Dra BabyLoop

A Doutora Marta Mesquita é formada em Medicina pela Universidade de Coimbra, sendo especializada em Pediatria Médica. Atualmente, exerce funções no Centro Hospitalar do Baixo Vouga.