Bebés reconhecem e ficam felizes quando são imitados
July 6, 2020
Como mudar a fralda do bebé?
July 10, 2020

Treino do Bacio

Doutora Marta Mesquita
 
Com o início do tempo quente e o aproximar dos 2 anos de idade, muitos pais/infantários tentam retirar as fraldas às crianças e iniciam o desfralde ou treino do bacio. Mas estarão todas as crianças preparadas?!


O que é o treino do bacio?

O treino do bacio ou desfralde consiste no treino da aquisição do controlo dos esfíncteres da criança, transitando assim do uso da fralda para o uso do bacio/sanita.

Este é um processo que requer, entre outras coisas, maturidade neurofisiológica do organismo para reconhecer a necessidade de “esvaziar a bexiga ou intestino”. Depende assim da maturidade fisiológica, emocional e do desenvolvimento psicomotor da criança, pelo que se pode compreender que a idade de início do treino do bacio pode ser muito variável.

A evolução normal do desenvolvimento psicomotor é inicialmente a criança indicar que fez as suas necessidades, depois mostrar que está a fazer e finalmente pedir para fazer no bacio. A premissa do treino do bacio consiste assim em a criança começar por urinar em pequena quantidade sempre que se senta no bacio, depois passe a perceber que consegue controlar quando quer fazer e por último pede para o fazer quando tem vontade. Na maior parte das vezes é um processo bastante demorado, que se vai construindo de forma individual e gradual, podendo levar alguns meses até estar completo. Cada criança tem o seu ritmo e este deve ser respeitado!


Com que idade iniciar?

A maioria das crianças estará preparada para iniciar o treino do bacio entre os 22 meses e os 3 anos de idade. Algumas crianças poderão já estar preparadas após os 18 meses, mas o mais importante é mesmo reconhecer a maturidade, o tempo e ritmo de cada criança. Esteja atento aos sinais!


Quais os sinais que demonstram que a criança estará pronta a iniciar o desfralde?

- A criança demonstra estar consciente das suas necessidades, mudando o seu comportamento antes de fazer: encolhendo-se, agachando-se ou recolhendo-se a um canto;
- Sinaliza quando tem a fralda suja;
- Tem micções mais abundantes e menos frequentes, mantendo a fralda seca por longos períodos, inclusive durante a sesta;
- Demonstra hábitos intestinais mais regulares, com horários aproximados para “fazer cocó”;
- Diz algumas palavras e tem vocabulário que relaciona ou demonstram a sua vontade de ir à casa de banho;
- Consegue despir-se sozinha (tirar fralda, baixar calças…);
- Gosta de usar cuecas;
- Gosta de imitar o comportamento dos outros (adultos, crianças…);
- Gosta de agradar os outros e ter o seu reconhecimento.


Devo usar o bacio ou a sanita?

Mais uma vez, todo este processo é muito variável. A maior parte das crianças sente-se mais segura no bacio, com os pés assentes no chão, sem medo de cair.

Contudo, para outras crianças funciona melhor o uso da sanita, sobretudo pela imitação do adulto! Neste caso, recomenda-se o uso de um redutor e de um banco, de forma a que a criança possa ficar numa posição confortável com os pés apoiados e os joelhos fletidos a 90º.


Conselhos práticos

- Tenha paciência, permaneça calmo, não pressionando demasiado a criança.
- Explique de forma simples para que serve o bacio. Pode contar uma história sobre o desfralde, existem muitos livros à venda sobre o assunto.
- Utilize o jogo da imitação do adulto ou de uma criança mais velha, para que se sinta mais crescido. Pode também deixar que escolha umas cuecas ao seu gosto!
- Aproveite se no infantário iniciarem o treino do bacio. Mantenha-o em casa ao fim-de-semana! Se houver acidentes não volte a colocar a fralda, evite retrocessos!
- Vista-lhe roupas leves e fáceis de a criança tirar ou de serem trocadas.
- Em intervalos regulares (de 2 a 3 horas, por exemplo), ou sempre que mudar a fralda ou der banho, incentive a criança a sentar-se e utilizar o bacio, sem pressionar.
- Utilize o reforço positivo, valorizando e felicitando cada vez que pede para ir ao bacio e incentivando que na vez seguinte correrá melhor quando tal não acontecer. Não critique os “acidentes”! As repreensões podem levar a que a criança deixe de colaborar.
 


Conheça os outros temas abordados pela Dra BabyLoop!

Marta Mesquita

A Doutora Marta Mesquita é formada em Medicina pela Universidade de Coimbra, sendo especializada em Pediatria Médica. Atualmente, exerce funções no Centro Hospitalar do Baixo Vouga.